quarta-feira, junho 21, 2006

Granizo destrói Douro vinhateiro



O granizo que caíu na passada semana destruíu 1700 hectares de vinha e vários caminhos agrícolas em 17 freguesias do Douro.
As localidades mais afectadas foram o Pinhão - Alijó, Ervedosa do Douro - São João da Pesqueira, Sabrosa e Tabuaço.
O Presidente da Casa do Douro, Manuel António Santos, disse à agência Lusa que se registaram "prejuízos de grande monta" nas vinhas de algumas freguesias Durienses, cuja produção é maioritariamente destinada a vinho do Porto, resultantes da queda de granizo.
Adérito Figueira, vice-presidente da Câmara de Alijó, narrou que a queda de granizo "com bastante intensidade", provocou prejuízos "avultados" em grande parte das vinhas da freguesia do Pinhão. O responsável realçou ainda a queda de socalcos, os caminhos agrícolas obstruídos e acrescentou que a autarquia já colocou no terreno máquinas para limpar as estradas e os caminhos onde se registaram deslizamentos de terras.
Fontes:

sábado, junho 10, 2006

Rock in Rio volta a Lisboa em 2008

O festival de música Rock in Rio regressa a Lisboa em 2008, anunciou recentemente o mentor do evento Roberto Medina.
Segundo Medina a volta deste evento a Lisboa justifica-se pelo elevado número de visitantes presentes na edição deste ano e pelo dinamismo empresarial gerado. “ Ao transmitirmos o festival para mais de 60 países, estamos também a mostrar o país e essa imagem pode trazer benefício turístico e também beneficio das marcas”, referiu.
A organização acrescenta que o evento “estimula o consumo” e dá “um incentivo económico injectado às empresas”.
A terceira edição do festival de música está prevista para os dias 30 e 31 de Maio e 6, 7 e 8 de Junho e conta com o apoio,já garantido, do Milenium –BCP e da Vodafone.

Fonte:Lusa



sexta-feira, junho 09, 2006

Governo apresenta medidas para superar dificuldades a Matemática


A escola do segundo e terceiro ciclos vão ter autonomia para contratar professores de Matemática. A medida será apresentada hoje pela ministra da Educação. A nova lei surge como tentativa de melhorar os resultados à disciplina.
Ao abrigo do novo plano, cada agrupamento de escolas define a sua própria estratégia com autonomia, tendo liberdade para aumentar a carga horária da disciplina, criar equipas de dois professores por turma ou constituir equipas multidisciplinares de docentes para realizar actividades de apoio à Matemática nas áreas não curriculares, como é o caso do estudo acompanhado.
Com o novo plano, os estabelecimentos de ensino poderão adquirir material didáctico ou software específico e melhorar ou criar espaços laboratoriais, tendo como bade o apoio financeiro da tutela.
Para se candidatarem às verbas, as escolas têm de apresentar um plano onde constem os resultados alcançados pelos alunos no ano lectivo anterior, a identificação das causas que influenciaram negativamente as notas e ainda as estratégias de melhoria das aprendizagens, bem como uma estimativa dos custos do projecto.
O plano será avaliado por uma comissão nomeada para o efeito e, caso seja aceite, a escola estabelece um contrato-programa com o Ministério, onde ficam definidas as metas a atingir e os apoios concedidos pela tutela.
Em cada escola haverá, então, um docente nomeado pelo GAVE, Gabinete de Avaliação Educacional, que ficará responsável pelo acompanhamento do projecto.
A Matemática foi e será a maior “dor de cabeça” dos alunos portugueses, cujos resultados são dos mais baixos da União Europeia.


Fontes:
SIC online

Vagas de acesso ao Ensino Superior não aumentam

As Universidades e os Politécnicos concordam com a proposta do Ministério do Ensino Superior de não abrir mais vagas de acesso para o próximo ano lectivo, uma vez que o número de candidatos está a diminuir.
Luciano Almeida, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, salientou que “nos últimos quatro anos, não houve acréscimo do número de vagas. As pequenas variações que se verificam anualmente resultam das excepções, como vai acontecer este ano com medicina e enfermagem”, cursos que vão registar um aumento de vagas.
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior apresentou um projecto de despacho às Universidades e Politécnicos, que visa o congelamento de acesso das vagas para o ano lectivo de 2006/2007, com excepção para medicina e enfermagem, cursos onde podem abrir mais dez por cento de vagas.
No entanto, Luciano Almeida considera não se tratar de congelamento de vagas, “poque ao ser fixado um número igual ao do ano passado está a ser fixado um número que no ano anterior não foi preenchido”.
Em 2005/2006, cerca de nove mil das 47 mil vagas disponibilizadas pela tutela ficaram por preencher.
“Sendo prevista a diminuição do número de candidatos, não há qualquer problema, porque na realidade o número de vagas é cada vez maior para o número de candidatos, que diminui”, sublinhou o presidente do CCISP.
Luciano Almeida considera também importante “manter os numerus clausus, para impedir a desertificação do interior do país e, assim, manter um equilíbrio”.

Fontes:
SIC online

sexta-feira, junho 02, 2006

Fenprof pede demissão da ministra da educação


A Federação Nacional de Professores (Fenprof) pediu ontem, durante uma reunião extraordinária do conselho nacional do sindicato, a demissão da Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues.

O secretário-geral da Fenprof, Paulo Sucena, afirmou que a ministra tem vindo a desenvolver uma “doentia cruzada contra os professores”, citando várias intervenções públicas da ministra, em que esta teria, alegadamente, questionado o empenho dos docentes. Paulo Sucena referiu ainda que "Os professores e educadores estão fartos dos descontrolados impulsos persecutórios da ministra da Educação de Portugal e não suportam mais o seu olhar de medusa",

Durante esta reunião, a Fenprof anunciou que pretende fazer uma greve de um dia, em data ainda definir, prometendo fazer um esforço para evitar que a paralisação coincida com as datas dos exames nacionais do ensino secundário e do básico, que se iniciam no próximo dia 19.

Paulo Sucena referiu também o descontentamento dos professores face à proposta do Ministério da Educação para o novo Estatuto da Carreira de Docente, referindo que se trata de uma “subversão total da imagem do sistema educativo”.
O secretário-geral da Fenprof prometeu “negociar até ao limite” este novo estatuto, apesar de ter anunciado um conjunto de acções de luta que coincidem com o dia do mundial professor, a 5 de Outubro.

Fonte: Diário de Noticias
Foto: Diário de Noticias